.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } .jump-link { text-align:right; } .jump-link a { text-align:right; font-size:15px; padding:10px; border: 1px solid #000; background-color:#ccc; color:#000; font-weight:bold; } -->

02/05/2018

| Então e séries Marta? |


Foi escrita por Margaret Atwood em 85, estreou no ano passado, ganhou um Emmy em 2017 e um Globo de Ouro em 2018 para melhor série dramática. Parece promissora?
Ah, falta-me acrescentar que Elisabeth Moss, que interpreta o papel principal, também levou para casa o Emmy e o Globo de Ouro para melhor atriz em série dramática.
Então do que trata esta série que açambarcou prémios?
Passa-se num futuro alternativo no qual os Estados Unidos da América desaparecem como o conhecemos. Passa a chamar-se República de Gilead e não é mais do que um regime totalitário (e hipócrita) em que a religião é quem mais ordena. 
Nesse 'novo' tipo de sociedade as mulheres não têm direitos - são propriedade do Estado -, dividem-se em castas e, se forem férteis, pertencem ao grupo das aias, tendo apenas uma função: dar filhos a famílias de homens poderosos e às suas mulheres inférteis.
Embora nos possa parecer uma realidade distante, a verdade é que The Handmaid's Tale tem sido (também) muito falada devido à presidência de Trump e à forma como aquele energúmeno vê e trata as mulheres. 
Não é uma série fácil, faz revolver cá dentro, mas estão mais do que justificados todos os minutos que ganhamos a vê-la. E vale muito a pena a acompanhar a prestação irrepreensível de Ms. Moss e, why not, fazer o quase nunca fácil exercício de questionar para onde caminhamos enquanto sociedade.

12 comentários:

Larissa Santos disse...

Deve ser um filme agradável:))


Hoje:- Vestes leves, agitadas pelo pensamento

Bjos
Votos de uma óptima Quarta - Feira

Joana Sousa disse...

Já ouvi falar imenso mas não sabia do que tratava. Agora que sei, quero ver!

Jiji

Messy Jessy disse...

Esta série está na lista, deve ser brutal!!

Os olhares da Gracinha! disse...

Ainda não tinha ouvido falar!!!
bj

Ana Freire disse...

Confesso, que também ainda não tinha ouvido falar... ultimamente, ando totalmente ausente do mundo das séries...
Mas pelo resumo, que nos deixas... deve ser mesmo, daquelas que valem a pena!...
Beijinho! Continuação de uma boa semana
Ana

Vânia Calado disse...

Quero muito ver esta série, mas ando a adiar porque é um tema muito pesado e já vi partes que me deixaram com o estômago às voltas.

Beijinhos

Cabeça na Nuvem disse...

Eu, espetadora banana, me confesso: sou cá uma preguiçosa para seguir séries! A sério, demoro mil anos para ir espreitar as novidades, mas se gostar, despacho tudo duma assentada lol.
Esta de que falas é daquelas que eu tenho todo os motivos para ver; dentro do género distópico, a mais recente que vi foi Black Mirror e adorei! Parece-me que quem gosta duma deverá gostar da outra, não?

Cidchen disse...

Não tenho visto séries nenhumas. Aiii...

Marta Moura disse...

Cabeça na Nuvem o Black Mirror está na minha lista, por isso suponho que sim. :)

Kique disse...

Esta serie não conheço ando um pouco desactualizado nesta matéria
Bjs
https://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt/

Sorrir e Sonhar por Mais disse...

Tenho essa série na minha lista de séries para ver. Já me falaram que é uma série forte mas que vale a pena, agora com a tua opinião ainda reforçaste mais.

Beijinhos,
By Cláudia

Sorrir e Sonhar por Mais

Alexandra Soares disse...

Devoro assim que sai! Ainda bem que não é pelo Netflix senão era difícil resistir não assistir aos episódios todos num dia! :D