.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } .jump-link { text-align:right; } .jump-link a { text-align:right; font-size:15px; padding:10px; border: 1px solid #000; background-color:#ccc; color:#000; font-weight:bold; } -->

13/04/2018

| Do fim das relações modernas |


Não sou particularmente saudosista nem tão pouco apologista daquele discurso do no meu tempo é que era: acho que 'no meu tempo' havia coisas muito boas e outras nem por isso, hoje em dia há coisas muito boas e outras nem por isso. 
Há, no entanto, diferenças óbvias entre a juventude que vivi e a juventude dos meus sobrinhos, por exemplo, e isso muito se deve à panóplia de meios de comunicação que existem atualmente, que permitem aos miúdos (e graúdos) conhecer pessoas a partir de um clique. 
A verdade é que essa rapidez e facilidade estão a mudar paradigmas e, se é tão simples conhecer alguém, afastar-se desse alguém é simples na mesma medida.
Há dias estava a ler um artigo na MAGG e fiquei a conhecer duas das práticas que estão em voga para terminar relações amorosas: o ghosting e o haunting.
Não são práticas exclusivas do mundo moderno (lá está, no meu tempo também existiam) mas como estão intimamente ligadas com as novas tecnologias tornaram-se mais comuns e ganharam o direito a ter uma designação própria.
O ghosting acontece quando uma pessoa que mantinha uma relação com outra desaparece sem mais. Não telefona, não manda mensagens, deixa de dar sinais de vida, ou seja, torna-se num fantasma (ghost).
No haunting o princípio é o mesmo só que, embora a pessoa desapareça sem deixar rasto, continua a seguir o outro nas redes sociais e a deixar gostos, do género desapareci mas continuo por aqui.
Tenho sérias dificuldades em compreender como é que alguém faz isto a outrem, principalmente porque imagino que seja muito difícil a quem é esquecido desta forma seguir em frente, sem um fim redondo. E até se aperceber que a coisa já foi deve sofrer imenso com a preocupação, a imaginar o que é que raio terá acontecido, a inventar mil desculpas até a realidade lhe desabar em cima.
Ainda assim, o que mais me choca é a total ausência de respeito pelo outro, que é algo que me mexe com os nervitxos, por considerar que o respeito é o mais basilar dos princípios de qualquer relação (pensar que até há uns tempos, para mim, era inadmissível alguém acabar com o/a companheiro/a por sms demonstra que estou a ficar uma cota ligeiramente desatualizada).
É essa ausência de empatia pelo que o outro estará a passar, essa absoluta falta de respeito por aquele com quem, em teoria, até há pouco tempo existia proximidade, que mais me entristece. E leva-me a questionar mais vezes do que gostaria quando é que começamos a perder a capacidade de comunicar.

30 comentários:

Eros disse...

Alguém que vê uma relação terminada por SMS, não tinha algo assim tão poderoso e uno quanto isso... logo vivia numa ilusão. Sofrerá, pois revela uma baixa Auto-Estima para ter ficado cega com alguém que não estava assim tão "presente".

Em vez de projectarmos ânsias que vestem outras pessoas com "roupas" que desejamos que enverguem, mas na realidade não as usam... Devemos ter um forte alicerce identitário, que não nos faça depender existencialmente de uma exclusiva dependência com outrem. É só quando firmamos uma Personalidade vincada, que nos conseguimos entregar convenientemente a Alguém... e só nessa altura conseguimos perceber quem realmente merece a partilha dos escassos momentos que nos são concedidos neste planeta.

O respeito... Esse é basilar.

Os olhares da Gracinha! disse...

A falta de respeito surge por não se saber dialogar!
Passa-se tempo a mais falando só e sozinho ... criando fantasias ... lutando contra o medo de falhar e na hora de fechar o ciclo fazemos da pior maneira possível!
...
Acho que sempre aconteceu mas mais entre paredes ... a liberdade de expressão facilita o escândalo!!!
...
Azar de quem não consegue resolver seus problemas sem se magoar e sem magoar outrem!!!
...
Uma SEXTA 13 ... com muita SORTE!!!

Gil António disse...

Passando e desejando um feliz fim de semana
.
* Fonte Divina de Amor Sentido *
.
Feliz Sexta-Feira, dia 13...

silvioafonso disse...

.

Você esqueceu-se de relacionar benching, a sua lista.
Eu sei que o seu dedo aponta
para os amigos virtuais. Mesmo assim
me envergonho de haver terminado
tantos namoros dessa maneira. Eu sim-
plesmente desaparecia dos olhos delas,
e olha que esse tempo não vai muito lon-
ge.
Eu era jovem, como acho que ainda
sou, (risos) e tinha pena do que sentis-
sem dizendo adeus.
De qualquer maneira a sua fala é res-
peitosa e verdadeira.

-Nem sei como consegui viver sem a Inter-
net naqueles dias...

Beijos, amiga e bom dia.

silvioafonso


.

Titica Deia disse...

Chocada... com a falta de tudo, já tinha ouvido falar de algumas histórias assim, mas não sabia que eram assim tantas para terem nomes de " movimentos " quase...

É triste pensar que as relações humanas estão a deixar de existir, o terminar o namoro é uma experiência, e as experiências estão a acabar na juventude...

Bjs
https://titicadeia.blogspot.pt/

Miss DeBlogger disse...

Não conhecia estes conceitos nas relações de hoje em dia e nem me cabe na cabeça uma pessoa fazer qualquer um deles a outra pessoa que por sua vez considerava que já fazia parte da sua vida.

Cada vez mais penso não entendo o mundo de hoje em dia...

Miss DeBlogger | missdeblogger.blogspot.pt

Cidchen disse...

Eu também não consigo entender esses conceitos, estas relações de hoje em dia. Isso faz-me confusão. Não há respeito, não há seriedade. Dou-me por contente por não ser assim. Ufa.

Maria Rodrigues disse...

Excelente crónica, infelizmente no mundo actual parece que cada vez mais a indiferença vai crescendo e a comunicação diminindo.
Beijinhos
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Elisabete disse...

Concordo inteiramente contigo. Desaparecer assim, que cobardia e falta de sentimentos!!!
Bjs

Mena Almeida disse...

Nada como terminar cara a cara :)
Beijinhos

A Casa Madeira disse...

Há todo o tipo de devaneios e permicividades nessas relações...
Mas os consultórios de psicologia, psiquiatria e qualquer
ajuda emocional, andam bem cheios... será porque?

João P. disse...

Valores, tecnologicamente evoluimos de uma forma espantosa, contudo deixamos os valores lá atrás, não fomos lestos a adaptar, criamos um vazio que tentamos encher com futilidades, egoísmos e solidão!

Bom fim de semana!

Inês disse...

Não conhecia isso, que triste!
--
O diário da Inês | Facebook | Instagram

Katarina disse...

Great post.
Thanks for sharing!

Kathy's delight

Ontem é só Memória disse...

Infelizmente estou familiarizada com ambas as situações e na prática são ambas assustadoras!

Bjxxx
Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

Messy Gazing disse...

O que se trata é mesmo de falta de respeito e consideração pelo outro, no fundo, falta de valores. Também não entendo como pode haver pessoas que conseguem ser tão indiferentes...

Beijinhos!
MESSY GAZING

Lu Dantas disse...

Oi, Marta. Concordo que é a ausência da empatia e o excesso de egoísmo. É triste.

beijos!!

https://ludantasmusica.blogspot.com.br

Manuel Luis disse...

Sinais do tempo.
Bjs

Melissa Sousa disse...

Acho que nos tempos que correm, as crianças não são educadas como nós fomos, sinceramente, e isso prejudica a pessoa em que se vai tornar num futuro.
Com isto quero dizer não que são mal educados, mas os pais de hoje em dia, e não falo de todos, mas a maioria, não educa o filho com amor mas com bens materiais, e não é por não gostarem dos filhos, por não os amarem, é porque pensam que isso é que os vai fazer felizes, e isso torna as pessoas muito materialistas, sem amor para dar aos outros, e depois acontecem estas coisas.
Antigamente também aconteciam, mas acho que as pessoas tinham mais medo, hoje em dia as coisas mudaram e ninguém tem medo de deixar ninguém 5 anos depois de uma relação.

Beijinhos,
Melissa Sousa | Fábrica de Temperos
SÉRIES | LA CASA DE PAPEL - SIM OU NÃO?

Rita Norte disse...

É sem dúvida um excelente tema para refletir. Tenho também vindo a aperceber-me de que há cada vez menos proximidade nas relações, é certo que o amor pode acabar mas o respeito nunca deveria terminar.
Os sentimentos não são já tão valorizados, há um desinteresse pelo que é real em detrimento do virtual, ainda que espelhe o que nem existe.
Entristece-me um pouco que desrespeitar alguém, outrora tão querido, seja tão fácil para alguns.
*
Obrigada pela visita e pelo comentário lá no meu rumo.
Um domingo feliz!

luísa disse...

meu deus!! já tinha ouvido falar disso no "catfish" mas não sabia que até usavam isso para acabar relações! e tens muita razão: é uma falta de respeito enorme!! :|

r: thaaaaanks :)

Vanessa Gonçalves disse...

Vê lá tu que eu nem sabia da existência desses termos! Lá está a nossa sociedade nunca foi perfeita...mas sinceramente o que as redes sociais trazem de bom, também trazem de mau.

Mia disse...

resolver as coisas cara a cara é que é respeito pelo outro ;)
nem conhecia esses termos!

beijinhos

Magda Carvalho disse...

não sabia que existiam essas termos mas já ouvi de situações dessas hoje em dia ninguém quer dar a cara para nada e então é mais fácil fazerem isso
https://retromaggie.blogspot.pt

Diana Santiago disse...

Só há uma coisa que não concordo no teu texto: "permitem aos miúdos (e graúdos) conhecer pessoas a partir de um clique", penso que hoje em dia quase nem se conhecem as pessoas, olhar para o que ela publica nas redes sociais ou dizer um olá quando passa na rua, não é de todo conhecer uma pessoa. Não conhecia esses conceitos, mas faz todo o sentido e agora penso que já 'fui vítima' de ghosting e não foi (nem continua a ser) fácil suportar, era uma amizade bastante forte (só na minha cabeça, claro xD ).
Também me mexe com os 'nervitxos' a falta de respeito que certas pessoas têm, para mim respeito é a base de tudo e não penses que estás a ficar uma cota, porque para mim continua a ser inadmissível por fim a uma relação através de uma mensagem ou chamada.
Aí está o ponto essencial, a comunicação (ou melhor, a falta dela).
Adorei o post! ;)

Beijoca querida,
santiago | facebook | instagram

Graça Pires disse...

Eu é que já não consigo acompanhar esses comportamentos...
Gostei de ler.
Uma boa semana.
Beijos.

Rute Matos disse...

Por acaso não conhecia esses conceitos para o fim em questão. E é algo que também não consigo conceber. Mas lá está... também já sou de outros tempos!!

Blogdiariodeumafamilianormal.blogspot.pt

Andreia Barbosa disse...

O grande problema, para mim, é que, dada a facilidade com que temos em comunicar hoje em, acabamos por relativizar o outro, sendo que começa a ser "normal" acabar relações por mensagem... o que para mim soa a algo muito estranho e que me transcende!

http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.pt/

Ana Freire disse...

Já conhecia ambos os termos... e subscrevo tudo o que disseste!...
Quando é que começamos a deixar de comunicar com os outros?... Quando deixamos de falar com os outros, olhos nos olhos... e nos habituamos a usar um equipamento como intermediário de relações... e como os equipamentos se ligam e desligam com relativa facilidade... as pessoas transportam este hábito para as relações...
Respeito... valores... um tema que não procuramos muito, com os motores de busca... e por isso... os gadgets não ensinam o que não se busca... e consequentemente... ambos vão-se perdendo... nos tempos que correm... com a maior naturalidade... dado que cada vez mais, os pais, também se abstêm de os ensinar aos filhos... pensando que os professores, é que o deverão fazer...
E receio bem, que estas atitudes, só iram aprofundar-se ainda mais, nas gerações que já não concebem que o mundo existia, antes de haver gadgets de toda a espécie e feitio...
Beijinho
Ana

Sandra Marques de Paiva disse...

Como disseste, e bem, já existia antes. Agora é só mais usual. Infelizmente, a falta de respeito para com o outro e os seus sentimentos não vem das redes sociais, mas sim da educação que se é dada pelos paizinhos. Acho que é isso.