.backtotop { position: fixed; bottom: 20px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ } .backtotop:hover { background-color: #333333; /* color of background on hover over */ color: #ffffff; /* color of text on hover over */ text-decoration: none; /* no underline */ bottom: 10px; /* increase value to move position up */ right: 0px; /* increase value to move position left */ padding: 10px; /* add space around the text */ } -->

31/10/2013

Acessórios low cost para o inverno

Numa visita aos sites das nossas lojas low cost preferidas descobri acessórios giríssimos e a preços muito acessíveis, alguns para o inverno, outros para uma mulher usar quando quiser.
Aqui ficam as minhas escolhas:




1. Relógio Parfois - 22.99 €

2. Gorro Bershka - 7.99 €

3. Clutch Parfois - 22.99 €

4. Chapéu Parfois - 19.99 €

5. Óculos Bershka - 12.99 €

6. Luvas Zara - 15.95 €

7. Lenço Bershka - 17.99 €

8. Mala Zara - 49.95 €


29/10/2013

Um look casual

Quando era mais novinha (até à juventude tardia, vá, que ainda sou novinha, cof cof) andava praticamente sempre de calças de ganga, quase como uma “farda” que adotei.
Vestidinhos, saias? No way!
Entretanto fui-me cansando e comecei a usar um vestidito aqui, uma blusinha ali e, quando dei por mim, o meu guarda-roupa estava cheio de peças bastante mais femininas.
Continuo a adorar calças de ganga, atenção, não há nada mais prático!
No entanto, agora só as visto esporadicamente - como neste look que usei para um passeio à beira rio -, já que não consigo passar sem a minha “roupa de menina-mulher”. Como diria Pessoa, primeiro estranha-se, depois entranha-se.
Por isso, meninas que só conseguem usar calças de ganga, comprem uma peça que saia da vossa zona de conforto e tenho a certeza que, enquanto o Diabo esfrega um olho, se vão apaixonar! E, acreditem em mim, o que mais custa é começar…  





























Camisa e calças Tally Weijl; Botins H&M; Clutch Atmosphere


28/10/2013

Falamos um pouco sobre géis?





O rosa, da marca I Love (comprei na Douglas), é um gel esfoliante amaciador de corpo, o que significa que esfolia mas, ao mesmo tempo, é muito suave…
O que mais gosto nele é do cheiro. É tão bom, mas tão bom, que todos os dias durante o duche, e ainda que não o use, vou lá dar uma snifadela só para me deliciar! J

O Cleanance, da Avène, é um gel de limpeza para o rosto ou corpo (só o uso no rosto), especialmente indicado para peles oleosas, com brilho e poros dilatados (oui, c’est moi!). Já o uso há vários anos, com alguns interregnos - para experimentar outras coisas -, e posso afirmar que é o melhor gel de limpeza que conheço, aquele que passa com maior eficácia no teste do algodão!
Além disso, dura muitíssimo tempo, pelo que acaba por ser muito económico em relação a outros produtos que andam por aí no mercado, que são mais baratos mas que obrigam a utilizar quantidades bastante mais generosas!

P.S.: Uma pequena nota que nada tem a ver com a review: para escrever este texto fui à net confirmar o plural de gel, e não é que também se pode dizer geles? Estranho…

25/10/2013

Refinery Hotel

Adoro hotéis! Gosto da relação desprendida que com eles temos, da ideia de passagem e, sobretudo, dos pequenos-almoços (note-se que, quando estou num hotel acabo por tomar o mesmo pequeno-almoço de sempre - sumo, meia de leite, croissants com manteiga ou compota, queijo, fruta e café - mas fico deliciada com a quantidade enorme de comida e cheiros e cores que os pequenos-almoços dos grandes hotéis apresentam).
Este tem a vantagem de se situar na baixa de Manhattan, bem perto dos bairros mais badalados da Big Apple (basta imaginar-me lá para me sentir imediatamente uma Carrie Bradshaw em potência), e ter uma vista privilegiada sobre o Empire State Building. No entanto, o que mais me chamou a atenção foi o facto deste espaço ter sido um dormitório de trabalhadores fabris no século XIX.
Irónico, não é?

















Imagens: www.refineryhotelnewyork.com


23/10/2013

Diz que é uma espécie de editorial


No outono, porque os programas ao ar livre estão mais limitados devido a razões óbvias (ó tempo, volta p’ra trás), e porque não sou mulher para me enfiar em shoppings, dou comigo a inventar mil e uma coisas para fazer dentro de portas, no conforto do lar. Até à primavera aproveito para ver montes de filmes e séries e, claro, farto-me de ler, mas também há que variar. 
Esta sessão de fotos é disso resultado, um (quase) editorial a brincar.
Espero que gostem! 

































21/10/2013

Padrões que não me vão ver usar neste inverno





Nunca gostei do padrão leopardo usado em grande escala, ou seja, sempre preferi vê-lo em pequenos apontamentos: numa clutch, sabrinas ou uma écharpe, por exemplo.
Mas esse padrão dura e dura e dura e dura e dura e dura e dura e dura e dura e dura e dura e dura estação após estação, e já não suporto vê-lo onde quer que seja, de que forma for. E o pior é que sempre que isso acontece abate-se sobre mim uma tentativa de vómito que, dia após dia, aguento heroicamente (a sensação é bastante semelhante a lavar a língua com a escova de dentes). Já nos dava uma folga, não?
Com o padrão militar a aversão não é tão acentuada, mas acho-o tão, mas tão pouco feminino…
Parece-me adequado usá-lo em roupinhas destinadas a uma tarde de paintball ou, vá, numa noite radical no mato ou … fico-me por aqui!


17/10/2013

Uma preciosidade em três atos





Ao segundo filme (Antes do Anoitecer, de 2004) apanhei-o a meio na televisão, já há uns anos, e fiquei colada ao ecrã! No entanto, nunca tinha visto o primeiro (Antes do Amanhecer, de 1995) pelo que fez todo o sentido, em fim-de-semana cinzentão de outono, fazer uma maratona e vê-los aos três.
Há quem defenda que o último (Antes da Meia-Noite, de 2013) é o melhor dos três filmes, mas eu não consigo escolher: são os trêdeliciosos, cada um à sua maneira. Posso, isso sim, afirmar que este último não fica nada atrás dos anteriores, o que é obra, considerando que estamos face a uma trilogia e que, por regra, a partir do primeiro é sempre a descer!
Faço uma grande vénia a Richard Linklater, o realizador, que, sem efeitos especiais, ou uma história intrincada, ou montes de tiros e ação, ou sei lá o quê, consegue uma obra primorosa, somente com recurso ao texto extraordinário que nos põe a pensar sobre a vida e o amor e o desejo e a morte e tantas outras coisas.
Ethan Hawke está muito bem mas é Julie Delpy quem me enche as medidas: adoro a personagem e a forma como a atriz a construiu, o que me leva a questionar porque é que a mesma nunca saltou verdadeiramente para as luzes da ribalta. Mistério…    


13/10/2013

Há música na cidade


Fez ontem uma semana que aconteceu aqui em Leiria o "Há musica na cidade", que já vai na sua 4.ª edição. Para quem não sabe, é um evento que se repete uma vez por ano, e que enche a cidade de música, principalmente, mas também de dança, teatro e intervenção de arte urbana, e que se desenrola no e à volta do centro histórico.
Na edição deste ano, segundo a organização, foram mais de mil artistas e cem espetáculos, espalhados por trinta pontos da cidade: em todos os cantos e recantos havia música.
Por mim, devia haver música na cidade todos os dias, mas já não está nada mal!
Ficam algumas fotos:









































11/10/2013

Spring.Summer Ready-to-Wear 2014


Terminaram há dias os últimos desfiles das Semanas de Moda (Paris, Londres, Nova Iorque e Milão, não necessariamente por esta ordem), que serviram para apresentar as coleções ready-to-wear para a primavera/verão 2014.
Fiz uma seleção de algumas coleções (obviamente as que mais gostei) e, dentro dessas, escolhi “O look”: uma trabalheira, mas que me deu muito gozo!
Confesso que fiquei negativamente surpreendida com algumas coleções dos “grandes”, não conseguindo escolher um lookzito para amostra, sequer!
Ao contrário, fiquei maravilhada com as propostas da Tod’s, como a que aparece aí em baixo! Não é absolutamente piquitxuzinha? 














Imagens: style.com